Terapia Nutricional: a real importância da nutrição hospitalar

Publicado por em 30 de dezembro de 2019
Categorias:
Terapia Nutricional: a real importância da nutrição hospitalar

A nutrição é um dos fatores mais importantes para a saúde e o bem-estar das pessoas, desde o nascimento até o envelhecimento. Assim no ambiente hospitalar, estabelecer estratégias clínicas como a Terapia Nutricional é determinante para melhorar o quadro do paciente, por sua vez acelerando o processo de recuperação e assegurar mais conforto durante a internação.

Em adultos entre 60 e 74 anos a desnutrição é crítica, inclusive apontada como o fator de risco de morte mais relevante nessa faixa etária, bem como um forte agravante da saúde e como a causa da incidência de complicações. Isso tudo, além de comprometer o estado de saúde do paciente, aumenta consideravelmente os custos de internação.

Por isso a Terapia Nutricional entra como a principal diretriz para evitar esse cenário. Mas você sabe o que é, quais são seus objetivos e qual profissional pode realizá-la? Continue a leitura deste post e entenda mais sobre o assunto!

O que é a Terapia Nutricional?

A Terapia Nutricional é o conjunto de ações terapêuticas estabelecidas por uma equipe multidisciplinar para manter ou recuperar o estado nutricional do paciente internado, através da nutrição.

Os cuidados são oferecidos durante toda a internação e a estratégia terapêutica é definida de acordo com o perfil, assim como o estado de saúde em que se encontra o paciente e suas respectivas necessidades nutricionais. Dessa maneira a Terapia Nutricional deve ser realizada tão logo a sua entrada no hospital e se estender até a alta, enquanto necessária.

Podemos sequenciar a Terapia Nutricional em cinco etapas:

  • triagem nutricional — reconhecer o paciente e os seus riscos nutricionais;
  • avaliação nutricional — quantificar o problema do paciente;
  • cálculo nutricional — estabelecer as necessidades nutricionais;
  • indicação da Terapia Nutricional — definir o tipo de terapia, se enteral ou parenteral;
  • acompanhamento e monitoramento nutricional — observar a evolução do quadro do paciente e assisti-lo.

Há diferentes formas de aplicar a Terapia Nutricional. Em síntese são elas:

  • Enteral (TNE) — dieta especial com quantidade controlada de nutrientes administrada pela boca, por sonda nasal ou por ostomias (intestinos e estômago);
  • Parenteral (TNP) — dieta especial em forma de solução administrada via intravenosa, quando o alimento não pode passar pelo trato gastrointestinal do paciente;
  • Oral Especializada (NOE) — dietas acrescidas de suplementos ou suplementos de dietas enterais administrados por via oral associados à alimentação diária.

Qual é a importância e os objetivos da Terapia Nutricional?

A Terapia Nutricional desempenha um papel central na capacidade dos profissionais da saúde lidarem com as doenças, as infecções, os traumas e as cirurgias. Assim, de forma direta, o objetivo principal da Terapia de Nutrição é manter ou recuperar o status nutricional do paciente, combatendo a desnutrição, mantendo a integridade do tecido corporal e os níveis de proteína no plasma, por fim evitando a deficiência de micro e macronutrientes.

É muito comum que os pacientes hospitalizados apresentem uma baixa adesão às dietas estabelecidas. Isso pode acontecer por não conseguirem se adaptar à apresentação ou à consistência dos alimentos, ou ainda pelos desequilíbrios metabólicos causados pela própria doença ou pelas reações aos medicamentos que podem alterar o paladar.

Em vista disso e das inúmeras evidências que confirmam que o estado nutricional do paciente influencia diretamente a sua evolução clínica, a Terapia Nutricional entra como uma forte aliada da equipe médica. Dessa maneira o paciente desnutrido é acometido com facilidade por infecções, que por sua vez levam mais tempo para cicatrizar, e por isso requer mais cuidados intensivos e permanece internado por um período mais longo no hospital.

Por isso, podemos dizer que os objetivos da Terapia Nutricional são:

  • prevenir e combater a desnutrição;
  • melhorar o sistema imunológico e a resposta cicatricial;
  • coordenar a resposta orgânica ao tratamento cirúrgico e clínico;
  • prevenir e tratar as complicações infecciosas;
  • reduzir a mortalidade;
  • diminuir o tempo de internação hospitalar;
  • minimizar os custos hospitalares;
  • melhorar a qualidade de vida do internado.

Quem pode realizar a Terapia Nutricional?

Todos que trabalham no campo da saúde sabem que a promoção do bem-estar dos pacientes não é feita por uma só pessoa, mas pela união de diversas áreas do conhecimento. Por isso a Terapia Nutricional é um procedimento bastante complexo, e para que ela seja aplicada da maneira adequada, deve ser executada por uma Equipe Multidisciplinar de Terapia Nutricional (EMTN).

Por quais profissionais essa equipe é formada? Veja a seguir.

Médico

O médico é quem faz o diagnóstico clínico e gerencial integralmente a EMTN. Por exemplo: nutrólogos, gastroenterologistas, intensivistas, clínicos, pediatras, cirurgiões gerais e com especialização em Terapia Nutricional podem prescrever as fórmulas para cada paciente.

Enfermeiro

O enfermeiro é um protagonista terapêutico e educativo, pois é responsável por coordenar todos os procedimentos da terapia, assim como a administração, volume da dieta e todos os cuidados de enfermagem relacionados. Além disso também orienta a equipe e comunica sobre o estado global do paciente.

Nutricionista

O nutricionista desempenha um papel central, pois faz a avaliação do estado nutricional do paciente, além de suas carências e os riscos aos quais ele está exposto.  Por isso esse profissional acompanha de perto a evolução do quadro e faz as reavaliações para eventuais ajustes.

Farmacêutico

O farmacêutico é fundamental para o tratamento, pois é o profissional mais qualificado para assegurar a melhor seleção, assim como a armazenagem e distribuição dos fármacos prescritos na fórmula. Em conclusão avalia se a prescrição é apropriada quanto à concentração, dosagem e compatibilidade físico-química dos nutrientes.

O Ministério da Saúde recomenda que fonoaudiólogos auxiliem a EMTN nas questões que envolvem dificuldades orofaríngeas e que assistentes sociais orientem os pacientes e familiares.

Quais são os benefícios da Terapia Nutricional para o paciente hospitalizado?

Como você deve imaginar, o uso da Terapia Nutricional em pacientes críticos apresenta uma série de benefícios tanto para o internado quanto para a instituição hospitalar. Ou seja para o paciente, além das melhorias no seu estado clínico, há ganho econômico, já que há uma diminuição no tempo de internação.

Além disso para a instituição hospitalar, existem diversas vantagens em ter uma EMTN que podem ser mensuradas nos aspectos clínicos — a melhora do paciente, a redução do tempo de internação e a prevenção de complicações — e nos gerenciais — mais produtividade nos serviços, alta taxa de ocupação, redução de glosas e de desperdícios e mais sustentabilidade da empresa.

Em resumo, a Terapia Nutricional é sinônimo de recuperação clínica a baixos custos. Veja alguns benefícios que ela oferece para a saúde do paciente:

  • interrompe as perdas de massa muscular e adiposa;
  • recupera a hidratação do paciente;
  • melhora as taxas de glicemia e de proteínas séricas;
  • evita ou diminui edemas;
  • facilita e acelera a cicatrização;
  • recupera a taxa de hemácias e eritrócitos;
  • controla as taxas de creatinina, triglicerídeos e colesterol;
  • promove o ganho de peso diário;
  • mantém os hábitos intestinais e evita vômitos e diarreias;
  • confere mais resistência às infecções;
  • atua nas deficiências nutricionais, corrigindo-as e recuperando o estado nutricional.

Em conclusão a Terapia Nutricional é uma estratégia de altíssima importância que pode ser empregada para a recuperação e a manutenção do bem-estar geral do paciente em estado crítico, assim como nos tratamentos de câncer, em Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) e nas etapas pré e pós-cirúrgica. Por isso uma equipe multidisciplinar é essencial para a boa execução da terapia, tanto no âmbito clínico quanto no emocional do paciente.

Percebeu a importância de todos os profissionais para a recuperação dos pacientes? Tem afinidades com diversas profissões e está um pouco perdido para continuar seus estudos? Então descubra agora como escolher uma pós-graduação na área da saúde!


Redimensionar Fonte
Contraste