Todas as cidades

Blog

4 razões para investir tempo e dinheiro em medicina intensiva

Quer saber por que se especializar em medicina intensiva? Confira nosso post e descubra 4 motivos que justificam isso!

4 razões para investir tempo e dinheiro em medicina intensiva

A medicina intensiva se tornou especialmente importante durante a pandemia da Covid-19. Isso porque muitos pacientes diagnosticados com essa doença precisaram de cuidados nas unidades de terapia intensiva (UTIs). 

Assim, os profissionais que atuam com a medicina intensiva são responsáveis pela entubação e extubação. Esses procedimentos auxiliam na respiração e sobrevivência dos pacientes em casos críticos. Logo, quem trabalha nessa área deve saber lidar com pressões e gerenciar crises rapidamente. 

Sentiu interesse por essa profissão? Você pode investir seu tempo e dinheiro para atuar nessa área. Que tal? Continue a leitura e saiba por que essa pode ser uma boa escolha!

O que é a medicina intensiva?

Como visto, a medicina intensiva envolve o cuidado com pacientes em situações críticas e que estão na UTI. A área surgiu nos anos 60 para oferecer cuidados mais efetivos com casos graves e com risco de morte. No entanto, foi apenas em 1981 que essa área foi reconhecida pela AMB e em 1992 pelo CFM.

A necessidade de profissionais na medicina intensiva é cada vez maior. Isso é explicado pelo aumento no número de leitos em UTI e de pacientes internados nesse local. Esse quadro se tornou ainda maior devido ao coronavírus e, mais recentemente, à influenza H3N2. Ainda, o envelhecimento da população também contribui para a maior demanda por esse tipo de profissional. 

Diante disso, a portaria governamental nº 3432 passou a exigir, a partir de 1998, a presença de profissionais da medicina intensiva nas UTIs. De qualquer maneira, ainda existem muitas vagas que precisam ser preenchidas nessa área. Para isso, os interessados podem investir em uma pós-graduação.

Por que fazer uma pós-graduação em medicina intensiva?

Você já conseguiu reparar que atuar com medicina intensiva é uma oportunidade de cuidar de pacientes em situações críticas e preencher o déficit de profissionais existente. Mas, além desses, existem outros motivos para fazer uma pós-graduação nessa área. Confira!

1. Boa remuneração

A medicina intensiva pode proporcionar boas remunerações já no começo da carreira. Isso é explicado pela baixa demanda de profissionais na área e até pelo maior estresse com que eles tendem a lidar. Afinal, é necessário se expor a riscos e ter a vida de pacientes nas mãos em muitos momentos.

Então, a remuneração costuma ser, em média, de R$ 8.248,30 para uma jornada de 26 horas semanais de trabalho. O teto salarial desses profissionais, segundo dados do eSocial, Novo CAGED, Empregador Web etc., é de até 15.924, 45. O valor tende a ser mais elevado em cidades do interior e fora do Sul e Sudeste, onde a demanda costuma ser mais elevada.

2. Oportunidades na carreira

Existem diferentes perfis de doentes que podem ser encaminhados para as UTIs. Logo, também existem inúmeras oportunidades de atuação na medicina intensiva. Inclusive, é obrigatório que todo hospital terciário tenha pelo menos 6% dos leitos voltados para terapia intensiva.

Assim, uma das oportunidades existentes envolve o cuidado com internações pela Covid-19. Nesse caso, o foco é no controle da saturação do oxigênio sanguíneo. Além disso, também existem outros problemas de saúde que exigem cuidados desses profissionais. Por exemplo:

  • admissão na UTI para monitorar os pacientes;
  • pacientes que tiveram alteração fisiológica significativa, por causa de um trauma grave etc.;
  • pacientes que precisam ter a fisiologia controlada para minimizar riscos de danos secundários;
  • cuidados no pós-operatório, como na recuperação anestésica;
  • pacientes que passaram por agressões reversíveis e precisam de cuidados até que o quadro seja revertido;
  • cuidados intensivos de enfermagem;
  • etc.

3. Valorização da vida

O Brasil tem destaque para os altos índices de violência civil e no trânsito, além do tratamento inadequado da pandemia e do alto número de casos da Influenza H3N2. Todos esses fatores influenciam o aumento do número de leitos e da necessidade de tratamentos para casos delicados.

Diante desse contexto, é fundamental contar com profissionais especializados e capazes de lidar com a gravidade da demanda. Assim, quem atua na medicina intensiva pode ser responsável por salvar diversas vidas, o que torna a vida profissional mais gratificante para quem atua na área. 

4. Soluções tecnológicas

A relevância da medicina intensiva também é percebida com o surgimento de recursos tecnológicos que proporcionam mais conforto ao paciente e maior precisão no tratamento e nos resultados. Naturalmente, tudo isso beneficia o trabalho dos profissionais.

Além disso, esse também é um nicho de atuação para quem quer trabalhar com pesquisa na medicina intensiva. Assim, é possível encontrar respostas e formular soluções tecnológicas para problemas relacionados às UTIs. É o caso de paradas respiratórias, choques etc. Algumas dessas inovações podem ser a humanização e a Inteligência Artificial.

No primeiro caso, existe um maior cuidado para que o paciente internado e seus familiares enxerguem a UTI como um espaço de recuperação, em vez de um local sem esperança de melhora. Isso pode ocorrer ao diminuir o nível de sedação, para que o cérebro volte a funcionar mais rapidamente e relate suas dores e desconfortos.

O outro exemplo é a tendência tecnológica da Inteligência Artificial. Ela conta com a tecnologia para solucionar os problemas do paciente ao reproduzir a capacidade humana. Assim, a equipe da medicina intensiva pode tomar decisões mais seguras.

Como se tornar um médico intensivista?

Conforme mencionado, uma das maneiras de atuar na medicina intensiva é pela pós-graduação. Assim, os currículos dessa especialização costumam envolver cuidados paliativos, procedimentos invasivos, sedação analgesia e bloqueio neuromuscular, neurointensivismo, terapia nutricional em UTI etc.

Então, é importante escolher instituições de renome, que envolvam um corpo clínico de qualidade e possam desenvolver lideranças necessárias para o tipo de trabalho exigido. Isto é, é preciso lidar com pressão e gerenciamento de crises, por exemplo.

Conseguiu tirar suas principais dúvidas sobre medicina intensiva? Como visto, existem inúmeras razões para investir tempo e dinheiro nessa área. As principais envolvem a boa remuneração, o maior número de oportunidades, a valorização da vida etc. Logo, leve em consideração esses aspectos ao decidir sobre a sua especialização.

Gostou do conteúdo e quer aproveitar a visita para continuar aprendendo? Então, confira nosso post sobre como se tornar um profissional de sucesso!

Comentários

Posts relacionados

TODOS OS POSTS