Entenda o que é e como é feita a prescrição eletrônica

Publicado por em 17 de agosto de 2020
Categorias:
Entenda o que é e como é feita a prescrição eletrônica

Os recursos digitais já são uma realidade na área da saúde, o que otimiza o dia a dia dos profissionais e também traz comodidade e mais segurança para pacientes. Nesse cenário, podemos destacar a prescrição eletrônica, que vem para substituir a receita médica feita com papel e caneta.

Estamos falando de uma tendência no Brasil, que vem ganhando cada vez mais espaço nas clínicas e consultórios médicos. Apesar de ainda não ser obrigatória por aqui, é interessante que os profissionais de saúde fiquem por dentro da novidade, especialmente quem quer impulsionar a carreira médica.

E é justamente esse o objetivo deste post. Continue a leitura, entenda o conceito do receituário digital, todos os seus benefícios e como ele é feito. Vamos lá?

O que é a prescrição eletrônica?

Em linhas gerais, podemos dizer que a prescrição eletrônica é a emissão da receita com a orientação médica realizada via digital. Sendo assim, ela é emitida de uma maneira bastante prática depois que o médico faz o atendimento do paciente.

Isso porque ele utiliza uma plataforma própria para o receituário: ao abrir o software, basta inserir os dados que a prescrição já está prontinha, inclusive com a assinatura digital do médico. O paciente pode receber o documento também por meio digital (em seu e-mail, por exemplo) ou ficar com a versão impressa.

Saiba ainda que esses dados ficam na nuvem, uma forma de mantê-los seguros, já que representam as informações de saúde do paciente. Desse modo, podem ser acessados de qualquer local por profissionais que sejam autorizados.

Então esqueça aquela história de o paciente perder a receita e precisar pedir uma nova — o que poderia atrapalhar algum tratamento —, já que os dados estão armazenados eletronicamente.

Conexão com farmácias

Uma novidade dessa tecnologia na saúde é a possibilidade de interligar consultórios e farmácias. Parece estranho, não é mesmo? Mas com a prescrição eletrônica, as informações da receita podem ser acessadas diretamente pelo farmacêutico, permitindo, assim, que ele venda para o paciente o medicamento correto e na forma indicada. Para isso, a pessoa só precisa falar o número do CPF — uma praticidade e tanto!

Quais os benefícios dessa tecnologia?

A prescrição eletrônica é um recurso interessante, que vai trazer benefícios para médicos, pacientes e outros profissionais de saúde, como mostramos a seguir. Acompanhe.

Redução de erros na medicação

Acho que não é segredo para ninguém como pode ser difícil interpretar a letra de muitos médicos. Acontece que, quando se trata da prescrição de medicamentos, esse assunto é muito sério. Afinal, tomar o remédio errado ou em uma dosagem maior ou menor que a indicada pode trazer prejuízos à saúde do paciente.

Com a prescrição eletrônica, esse problema acaba, pois não há mais a escrita à mão, facilitando, inclusive, a rotina do farmacêutico, que não vai precisar interpretar o que está na receita.

É, portanto, uma tecnologia que vem para minimizar a possibilidade de erros com os fármacos receitados e com a dosagem recomendada pelo médico, o que traz mais segurança para o paciente.

Powered by Rock Convert

Agilidade nos processos

A rotina do médico é bastante corrida, contudo, ao contar com uma plataforma digital para prescrever os medicamentos, ele ganha tempo, agiliza a agenda do consultório médico e também consegue oferecer um tratamento de melhor qualidade.

É que esse software armazena outras informações do paciente, permitindo que o profissional saiba quais condutas já foram adotadas e quais fármacos já foram receitados. Isso vai ajudar na hora de decidir qual é o tratamento mais indicado para aquela pessoa.

A receita digital é também um recurso importante para utilizar nas consultas online.

Informações sobre medicamentos

Uma característica da plataforma para a emissão da receita no formato digital é o acesso a um banco de dados com informações sobre os medicamentos, como sua disponibilidade no mercado, nome do princípio ativo, nome comercial, entre outros dados.

Para os médicos, é um recurso importante para evitar a prescrição de um fármaco que não está mais disponível ou ainda para receitar pelo princípio ativo.

Comodidade para o paciente

Existem muitas pessoas que tomam medicamentos que precisam de receita de forma contínua, situação que exige o deslocamento ao consultório de forma recorrente para conseguir esse documento.

Nesse aspecto, a prescrição eletrônica significa comodidade, pois o médico pode emitir e disponibilizar o receituário no modelo digital sem a necessidade de a pessoa precisar ir até a clínica para pegar a receita.

Segurança das informações dos pacientes

No receituário digital, as informações inseridas são criptografadas e, como dissemos, somente profissionais de saúde autorizados podem ter acesso a elas. É uma segurança para os dados de saúde do paciente e também uma medida que ajuda a evitar falsificações de receitas médicas.

Como fazer o receituário digital?

Agora que você já conhece essa tendência, deve estar curioso para entender como fazer a prescrição eletrônica. Bom, saiba que sua emissão é muito simples: o médico só precisa ter o software específico com esse recurso e inserir as informações da receita.

Apesar de toda a agilidade proporcionada pela tecnologia, é preciso seguir as normas do Conselho Federal de Medicina (CFM) para fazer o receituário digital da maneira correta.

Assim, é obrigatório que a receita eletrônica contenha:

  • cabeçalho — seção superior em que consta o nome e número do registro do médico, bem como o nome e logotipo do consultório;
  • superinscrição — nesse campo são inseridas as informações do paciente, como seu nome e idade, além da orientação para o uso do fármaco prescrito, como “uso externo”;
  • inscrição — etapa em que vem o medicamento prescrito;
  • subscrição — é a quantidade do medicamento que o paciente vai precisar, como o número de caixas;
  • adscrição — outras informações mais específicas do paciente, importante caso ele seja diabético, por exemplo;
  • fecho — é a parte com a data em que receita foi feita e com a assinatura digital do médico.

Quem já atua ou vai atuar na área da saúde precisa ficar por dentro das tecnologias que vão surgindo, como a prescrição eletrônica. É um recurso que vai agilizar o atendimento médico e também evitar erros com medicações.

Gostou de acompanhar este post? Quer ficar por dentro de outros temas como este? É só assinar a nossa newsletter para não perder nenhum conteúdo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Redimensionar Fonte
Contraste